Translate...

28 de janeiro de 2015

We must to free the moms!



"É preciso libertar as mães das teorias. É preciso libertar as mães das tabelas com horas. Das aplicações de telemóvel que apitam a avisar que é hora do bebé comer. Ou de mudar a fralda. Ou de dormir. É preciso libertar as mães dos palpites e conselhos que as fragilizam. Dos “especialistas” e seus métodos “infalíveis”. De todos aqueles que paternalisticamente lhes dizem, ainda que mais ou menos subtilmente, que estão a fazer tudo mal.
É preciso libertar as mães da pressão de que têm que saber logo tudo. Ou que têm que acertar à primeira..."


Este texto é qual quer coisa de espectacular...

Somos de facto (e eu contra mim falo...) as mães do google e dos blogs, dos livros, das teorias..., dos grupos do facebook e do whatsapp, do pediatra X e do guro Y... Como que raio é que se fazia antigamente sem acesso à Internet e a todo este mundo de excesso de informação??? 

Talvez o que seja realmente importante é ouvir de facto o nosso coração mãe e o nosso bebé... Não há criança igual a outra, dizem as mães de mais que um, que nenhum filho é igual a outro... Então para quê continuar com as comparações?!?!?!

1 comentário:

M♥M Susana disse...

Carolina, o saber não ocupa espaço (quer dizer, algum ocupa eheh tipo livros e resmas de fotocópias do curso da universidade) e o que eu noto nos dias de hoje em que existe tanta informação acessivel é: muita informação não é credivel e as informações bem estudadas e fundamentadas são albarroadas literalmente pela sabedoria popular de que não fez mal ao meu filho mal não faz ao teu... Eu sou acérrima da amamentação e não entro em lutas ou envangelização por causa da mesma mas quando noto alguma abertura por parte de alguem para debater não me importo de partilhar o que sei. Actualmente liga-se demasiado ao que o vizinho fez, ou o que o médico diz mas nem todos os médico estão habilitados para falar de algumas coisas. Falando na amamentação muitos tecem datas para terminar porque já não serve para nada ou porque traz maus vinculos mãe-filho quando na realidade esses senhores e senhoras param além de não terem habilitações na área ganham comissões pelos pais que convencem a ingressar no mundo dos leites artificiais... Amamentei o G. até aos 16 meses pq foi ele que não quis mais e o A tb vai mamar até querer mas eu sei que em certa parte errei com o G ao dar mama e introduzir aos 12 meses Leite de vaca como se fosse algo necessário, hoje adora LV e até demais e beneficios nem por isso, acaba por preferir lacticinios a comida a sério (se é que agora já está melhor nesse aspecto), isso e papas/potes fruta industriais que estando eu em casa à mais de 3 anos não fazem falta nenhuma. Não errei com o 1º filho mas com o 2º vou tentar superar e limar algumas arestas que não fiz com o 1º.
Desculpa lá tar a «fuçar» no blog mas é bom ler-te ;o)