Translate...

21 de março de 2008

Primavera...

Chegou finalmente a Primavera...




QUADRAS AO GOSTO POPULAR


Tome lá, minha menina,
O ramalhete que fiz.
Cada flor é pequenina,
Mas tudo junto é feliz.


Teu vestido, porque é teu,
Não é de cetim nem chita.
É de sermos tu e eu
e de tu seres bonita.


Andorinha que vais alta,
Porque não me vens trazer
Qualquer coisa que me falta
E que te não sei dizer?


Água que passa e canta
É água que faz dormir...
Sonhar é coisa que encanta,
Pensar é já não sentir.


Fernando Pessoa

13 de março de 2008

Descoberta nova espécie de pigmeus...

Cientistas sul africanos descobriram recentemente novos esqueletos de hominídeos na ilha de Palau, um pequeno país do Oceano Pacífico, a leste das Filipinas.
A nova espécie, de estatura baixa- mais baixa até de que os pigmeus da floresta africana- pode estar relacionada com a descoberta efectuada em 2003 na Ilha das Flores (Indonésia, mais a sul), que se pensa terem fabricado utensílios complexos, o que os aproxima do Homo sapiens contemporâneo.
Os esqueletos de pelo menos 25 indivíduos foram descobertos pela equipa liderada por Lee Berger, da Universidade de Witwatersraund, em Joanesburgo, e datam de há entre 900 e 2800 anos.
Os detalhes da nova descoberta foram ontem publicados pela revista Public Library of Science. “As ilhas rochosas de Palau guardam numerosas grutas e refúgios, contendo muitos restos humanos fossilizados”, acentua o artigo da revista. “Descobrimos pelo menos dez lugares em que eram sepultados estes hominídeos” , asseveram os autores.
A teoria, ainda em tese, diz que os “humanos” de Palau e Flores cresceriam menos por serem ilhéus. Os Homens adultos pesavam cerca de 43 quilos e as mulheres não passavam dos 29 quilos. As cabeças são bastantes pequenas e os corpos têm uma feição primitiva.
Aconselho a ver o sítio:

11 de março de 2008

Na Rota da Índia com Vasco da Gama...

Lifted...


Título Original: Lifted
Realizador: Gary Rydstrom

Produção: Katherine Sarafian; Osnat Shurer (executive producer)
Música: Michael Giacchino

Género: Animação
Idioma: Inglês
Outros dados: EUA, 2006, 5 min.
Sítio Oficial:
http://www.pixar.com/shorts/lift/index.html


Sinopse: A história passa-se à noite numa quinta, e envolve um atrapalhado estudante alianígena chamado Stu, que está a fazer um teste de abdução com o seu rabugento professor chamado Mr. B. No teste, Stu precisa abduzir um humano (um fazendeiro que dorme profundamente) ou será reprovado. A tarefa se torna difícil, pois os botões do painel de controle da nave são todos iguais, dificultando descobrir a função de cada um...


7 de março de 2008

For the Birds...

Título Original: For The Birds
Realizador: Ralph Eggleston
Produção: John Lasseter, Karen Dufilho
Roteiro/Guião: Ralph Eggleston
Edição: Jennifer Taylor, Tom Freeman
Música: Riders in the Sky
Género: Animação
Idioma: Inglês
Outros dados: EUA, 2000, 3 min.
Nomeações: Melhor Curta-Metragem de Animação, 2000

Sinopse: O Filme, passa-se em cima de uma linha de transmissão e conta a história de um grupo de pássaros que se sentem incomodados com um pássaro de outra espécie, que quer juntar-se a eles. No final, os pequenos pássaros terão muito o que se arrepender por terem sido pouco receptivos.

3 de março de 2008


Apresentação Pública do N.º 15 de Al-Madan


Ciclo de DebatesA Arqueologia em Revista

◊ Uma nova revista, em papel (Al-Madan) e em suporte electrónico (Al-Madan Online).
◊ O grande debate nacional que muitos desejavam, descentralizado pelo país e com continuidade no ciberespaço.

Lisboa (1 Mar.) ● Porto (8 Mar.) ● Faro (15 Mar.) ● Beja (29 Mar.) ● Conimbriga (5 Abr.)


Temas de Debate

1. Arqueologia e Poder
1.1. Público / Privado
Que papel para a administração pública na área da Arqueologia?
[atribuições, competências, recursos, organização institucional...]
Como relacioná-lo com outras áreas de intervenção?
[governativa, sócio-profissional, académica, empresarial...]
1.2. Central / Regional / Local
Como distribuir e compatibilizar o papel reservado ao Estado pelas administrações públicas central, regional e local?
[descentralização de atribuições, competências e recursos]
2. Arqueologia e Arqueólogos
2.1. Como regular o acesso e o exercício da profissão?
[Ordem, sindicalismo, associativismo, credenciação...]
2.2. Como conquistar espaço de intervenção na definição das políticas e estratégias para o sector?
3.3. Como melhorar as condições de formação académica e profissional de arqueólogos e outros profissionais da área?
3. Arqueologia e Sociedade
3.1. Como sociabilizar o papel do arqueólogo e do conhecimento arqueológico?
3.2. Como promover a cultura científica na área da Arqueologia?
3.3. Como conquistar espaço de intervenção e reconhecimento na sociedade portuguesa?

Côa, o rio das mil gravuras...

Aconselho a todos, vivamente, a visualização deste documentário sobre as Gravuras do Vale do Côa - Côa, o rio das mil gravuras - um filme de Jean Luc Bouvret realizado em 2006 numa parceria Luso-Francesa.

Sinopse:
"Ao longo das margens do rio Côa, estende-se um verdadeiro tesouro arqueológico: milhares de gravuras pré-históricas ao ar livre. Aquando da sua descoberta no início dos anos 90, tiveram o efeito de uma bomba: a “arte das cavernas”, considerada até então como a regra, poderia não ter sido mais que uma excepção. Um campo de investigação imenso que veio revolucionar a nossa visão da Pré-História".

Mercado do Bolhão...

O Mercado do Bolhão é um dos mercados mais emblemáticos da cidade do Porto, em Portugal, classificado como Imóvel de Interesse Público em 22 de Fevereiro de 2006.

Um pouco de História…

Há cerca de dois séculos, o terreno onde foi erguido o típico "Mercado do Bolhão", naquele que é considerado como o verdadeiro epicentro da baixa portuense, mais não seria do que um lameiro pertencente à quinta aí existente, propriedade dos condes de S. Martinho, da qual restaram pouquíssimos vestígios. O nome pelo qual é largamente conhecido derivará, tanto das características do solo, quanto da existência, nas suas imediações, de uma bica designada, precisamente, de "Fonte do Bolhão".
Apesar da Câmara Municipal do Porto o ter mandado construir logo em 1837, numa altura em que, por ordem do arquitecto e professor da Academia de Belas Artes do Porto, Joaquim da Costa Sampaio Lima (?-1864), se atribuíam os lugares no "Mercado Interno do Bolhão", foi apenas em 1851 que se iniciou a sua edificação no mesmo local onde já funcionava um mercado constituído por estruturas ainda demasiado precárias e transitórias, num momento em que uma das artérias mais movimentadas da cidade - a Rua Sá da Bandeira - começava a ser rasgada. Na verdade, existia, no local fronteiro, uma importante fábrica de estamparia e uma fundição, demolidas na sequência de um grande incêndio deflagrado nas suas instalações. E foi neste lugar que se ergueu uma série de edificações de carácter mercantil, em grande parte pertencente aos mais influentes industriais de Riba de Ave. Situado na freguesia de Santo Ildefonso, o mercado foi transformado no que é hoje pelo arquitecto António Correia da Silva em plena 1.ª Grande Guerra Mundial, entre 1914 e 1917, depois de, em 1910, o ante projecto do Eng.º Casimiro Barbosa ter sido aprovado. Foi, por conseguinte, levantado durante a primeira vereação republicana presidida pelo conhecido negociante portuense Elísio de Melo, a quem a cidade do Porto ficou a dever alguns dos seus mais arrojados projectos de urbanização (como a abertura da Avenida dos Aliados), entre os quais os próprios Paços do Concelho, também eles a merecerem um risco inicial daquele mesmo arquitecto.
Ocupando todo um quarteirão, o "Mercado do Bolhão" apresenta planta rectangular alongada, com linhas arquitectónicas e gramática decorativa de fundo neoclássico tardio, algo aproximado às do arquitecto José Marques da Silva (1869-1947), como a "Estação de S. Bento", não só na linguagem arquitectónica como na própria monumentalidade exibida que, no caso do mercado, será acentuada pelos torreões colocados nas esquinas. Ademais, o facto de ambos terem cursado em Paris poderá explicitar a forte influência exercida pela denominada arquitectura da École de Beaux Arts nas suas respectivas opções estéticas. Entra-se no interior do edifício pela fachada principal voltada a Sul que ostenta, a rematá-la, um frontão com um brasão ladeado por esculturas de pedra atribuídas a Bento Cândido da Silva, personificando o comércio e a agricultura. Desenvolvido, basicamente, em torno de um chafariz com quatro bicas, o mercado apresenta dois pisos interligados por diversas escadarias, além de um amplo pátio central subdividido em dois espaços exteriores através de uma galeria coberta, construída já nos anos quarenta
.”
In: http://www.ippar.pt/pls/dippar/pat_pesq_detalhe?code_pass=155837




Polémica em torno da reabilitação…

A Câmara Municipal do Porto recorreu, na década de 1990, a um concurso público internacional, nomeando para júri de concurso, o IPPAR, a Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto e o arquitecto Álvaro Siza Vieira. O projecto vencedor, do arquitecto Joaquim Massena, mantinha vivo o tecido físico do mercado, com novos conceitos de usos do mercado, com novas funções e novos horários de funcionamento. No entanto, apesar de o projecto vencedor para a reabilitação de um dos maiores símbolos da cidade do Porto ter sido distinguido pelo seu mérito, nunca chegou a avançar.
Em 2007, a Câmara do Porto decidiu abrir um novo concurso público de concepção/construção, deixando de parte a hipótese de reabilitação do Bolhão. O concurso admitiu a entrega do Mercado do Bolhão para exploração a privados, durante 50 anos. A empresa imobiliária vencedora, TramCroNe – Promoção e Projectos Imobiliários, S.A., anunciou que o seu projecto prevê a demolição de todo o interior do Mercado do Bolhão, deixando apenas a fachada, e contempla a construção de habitações de luxo e de um centro comercial, deixando apenas cerca de 3% da área total para o comércio tradicional.
Os cidadãos do Porto encontram-se incredulos, tal como eu fiquei qd soube de tal notícia... Para além do do desrespeito absoluto pelo Património Arquitectónico e Cultural, a Câmara Municipal do Porto está, não só a desactivar um dos mais emblemáticos símbolos o Comércio Tradicional da cidade, construído durante a Primeira Guerra Mundial, como a matar o coração da cidade numa vergonhosa acção para dar lugar a mais um centro comercial...

A petição, com mais de 50.000 mil assinaturas encontra-se em:
Mais informações em:
Assinem... pelo Porto, pela Cultura e pelo Património, que é não só desta cidade como de todo o nosso Portugal...