Translate...

22 de abril de 2008

Dia da Terra...

Hoje, dia 22 de Abril é comemorado:
- o Dia da Mundial da Terra


- em Portugal o dia Dia Nacional do Património Geológico


- e no Brasil o Dia do "Descobrimento" - Descoberta do Brasil por Pedro Álvares Cabral em 22 de Abril de 1500


Pedro Álvares Cabral (Belmonte, 1467 ou 1468 — Santarém, 1520 ou 1526) foi um fidalgo e navegador português, comandante da segunda viagem marítima da Europa à Índia, viagem em que se descobriu o Brasil, a 22 de Abril de 1500.

A Armada de 1500
Nau de Pedro Álvares Cabral no Livro das Armadas (Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa).

Em 1499, foi nomeado pelo soberano como capitão-mor da armada que se dirigiria à Índia após o retorno de Vasco da Gama. Teria então cerca de trinta e três anos de idade. A missão de Cabral era a de estabelecer relações diplomáticas e comerciais com o Samorim, reerguendo a imagem de Portugal após a apresentação do Gama, e instalando um entreposto comercial ou feitoria retornando com o máximo de mercadorias.
A sua foi a mais bem equipada armada do século XV, integrada por dez naus e três caravelas, transportando de 1.200 a 1.500 homens, entre funcionários, soldados e religiosos. Era integrada por navegadores experientes, como Bartolomeu Dias e Nicolau Coelho, tendo partido de Lisboa a 9 de Março de 1500, após missa solene na ermida do Restelo, à qual compareceu o Rei e toda a Corte.

O Descobrimento do Brasil

Litografia de Pedro Álvares Cabral, descobridor do Brasil em 1500, em rótulo de cigarros do Brasil.

A 22 de Abril, após quarenta e três dias de viagem, tendo-se afastado da costa africana, avistou o Monte Pascoal no litoral sul da Bahia. No dia seguinte, houve o contacto inicial com os indígenas. A 24 de Abril, seguiu ao longo do litoral para o norte em busca de abrigo, fundeando na actual baía de Santa Cruz Cabrália, nos arredores de Porto Seguro, onde permaneceu até 2 de Maio.
Cabral tomou posse, em nome da Coroa portuguesa, da nova terra, a qual denominou de "Ilha de Vera Cruz", e enviou uma das embarcações menores com a notícia, inclusive a Carta de Pêro Vaz de Caminha, de volta ao reino.


"Ali veríeis galantes, pintados de preto e vermelho, e
quartejados, assim pelos corpos como pelas pernas, que, certo, assim pareciam
bem. Também andavam entre eles quatro ou cinco mulheres, novas, que assim nuas,
não pareciam mal. Entre elas andava uma, com uma coxa, do joelho até o quadril e
a nádega, toda tingida daquela tintura preta; e todo o resto da sua cor natural.
Outra trazia ambos os joelhos com as curvas assim tintas, e também os colos dos
pés; e suas vergonhas tão nuas, e com tanta inocência assim descobertas, que não
havia nisso desvergonha nenhuma. Todos andam rapados até por cima das orelhas;
assim mesmo de sobrancelhas e pestanas. Trazem todos as testas, de fonte a
fonte, tintas de tintura preta, que parece uma fita preta da largura de dois
dedos. Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no
logo na mão e acenaram para a terra, como se os houvesse ali. Mostraram-lhes um
carneiro; não fizeram caso dele. Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo
dela, e não lhe queriam pôr a mão. Depois lhe pegaram, mas como espantados.
Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, fartéis, mel, figos
passados. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provavam alguma coisa,
logo a lançavam fora. Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe puseram a boca;
não gostaram dele nada, nem quiseram mais. Trouxeram-lhes água em uma albarrada,
provaram cada um o seu bochecho, mas não beberam; apenas lavaram as bocas e
lançaram-na fora. Viu um deles umas contas de rosário, brancas; fez sinal que
lhas dessem, e folgou muito com elas, e lançou-as ao pescoço; e depois tirou-as
e meteu-as em volta do braço, e acenava para a terra e novamente para as contas
e para o colar do Capitão, como se dariam ouro por aquilo"
.

3 de abril de 2008

No Ártico...

Encontrada peça de marfim de três mil anos com desenhos de caça à baleia 

Uma equipa de arqueólogos descobriu no Árctico russo um artefacto de marfim com três mil anos onde estão esculpidas cenas de caça à baleia, avança hoje a revista "Nature".

As escavações decorreram no Verão passado, num local chamado Un’en’en situado na zona russa do Árctico. Os desenhos mostram um conjunto de homens com arpões, possivelmente antigos esquimós, a caçar os mamíferos marinhos. No local também foram descobertas lâminas partidas feitas de pedra e restos de baleias.

Esta parece ser a mais antiga evidência desta prática. Segundo Daniel Odess, investigador do Museu do Norte da Universidade do Alasca, a descoberta “puxa a caça à baleia mil anos para trás”. Odess liderou a expedição juntamente com Sergey Gusey, do Instituto de Investigação da Cultura e Herança Natural de Moscovo.

Durante as escavações, a equipa encontrou uma grande estrutura parecida com uma casa e desenterrou crânios de morsas e ossos e barbas de baleia de, pelo menos, duas espécies diferentes. Num dos últimos dias encontraram o artefacto de marfim que media 50 centímetros de comprimento. Os desenhos esculpidos mostram caçadores em umiags, os barcos tradicionais dos Esquimós, arpões e baleias. A caça à baleia só existe numa comunidade complexa que trabalha em conjunto. É necessário construir barcos, caçar e partilhar a carne. Até agora as provas mais antigas desta actividade tinham dois mil anos, apesar de existirem desenhos de caçadas esculpidos em rochas no sudeste da Coreia que não estão datados. No caso da peça do marfim, fizeram-se várias datações às camadas de terra que continham o artefacto através de uma técnica de marcação por carbono.

Gusey descobriu Un’en’en em 2005, o local fica na Península de Chukchi, no extremo leste da Rússia que dá para o Estreito de Bering. Nos últimos anos tem havido uma colaboração entre arqueólogos russos e norte-americanos na zona do estreito para se obter uma imagem global de como as sociedades apareceram ali. “É como um livro aberto”, comentou Odess, “metade das páginas estão na Rússia e a outra metade no Alasca”.

01.04.2008 - 14h50 PÚBLICO