Translate...

4 de dezembro de 2010

... que se exilou ou foi condenada a desterro...

Palavra a reter hoje:

EXPATRIADO [eiS]
adjectivo
1. que está fora da pátria; 2. desterrado; exilado
nome masculino
pessoa que se exilou ou foi condenada a desterro


DIA 6.º Acordar cedinho que hoje há muito para fazer. Aqui vamos nós então, nesta nossa demanda pelo desconhecido, que hojejá  temos marcado uma visita a uma casa de manhã e a uma de tarde, e a ver se damos "conta" da conta do banco. Saímos do hotel e até comentamos entre nós: "Está frio, mas até se anda bem..." Pois anda... ou melhor andava!!! Passados uns minutos, começou a nevar... "Oh... deixa estar... é só um bocadinho... vamos lá embora..." Mas porque é que uma pessoa não está caladinha??? Em menos de 5 minutos não se via um palmo à frente do nariz, tal era o nevão que se tinha posto. E, não sendo o meu homem uma pessoa exactamente comedida, ouvi logo: "FO**-SE!!! ESTÁ A NEVAR PRA CA**LHO!!!" E prontos... assim começou mais um fantástico dia por terras do desconhecido. Lá vamos nós, apanhamos o metro em direcção ao local combinado. Quando demos por ela estávamos atrasados e não sabíamos bem a que horas conseguíamos chegar ao local combinado com o agente para ver a casa. O homem telefonou então, ou que o senhor respondeu, que não podia esperar que se tinha que marcar para outro dia. Porreiro pá!!! Claro que o senhor não tinha culpa nenhum, mas este tempo de mer** não ajuda nada. Enfim... Decidimos ir até ao fim da linha de metro (sim... porque aqui tal como no Porto, o metro é de superfície) que para além de ser mais quente que lá fora, ainda víamos as vistas. Chegados ao fim da linha trocamos então de metro para regressar para o centro... Umas quantas paragens depois, o metro pára, o senhor motorista remorde qualquer coisa nesta língua estranha que é o holandês, o pessoal saí todo do metro, olhamos um pro outro e dissemos: "Então e agora???" Não fazíamos puto de onde estávamos nem como podíamos sair dali. Se o metro não podia andar (pensamos nós que por causa da neve), será que os outros transportes podem??? Lá perguntamos a um rapaz, qual seria a melhor maneira de sair dali e ir para o centro de Amesterdão.
Caminhámos cerca de 1 km em busca do autocarro. Claro que não é nenhuma distância ridícula, mas com a neve a cair a cântaros, sapatos a ficarem molhados, frio e afins, não foi fácil não senhor!!! Mal chegamos à paragem, e porque nem tudo pode correr mal, chegou logo o malfadado autocarro. Não sei se da situação, do frio na cabeça e nos pés, que a primeira coisa que fizemos depois de nos sentarmos no autocarro foi desatar a rir à gargalhada... (Verdade: mais vale rir que chorar!) Segue-se então a procura no mapa: onde estamos, para onde vamos e qual a paragem que queremos sair... (Como se pode ver hoje levamos máquina, decididos que o frio não seria mais forte que nós e que teríamos umas pigrafias para a prosperidade). Claro que até porque nem está frio nem nada, nem neva nem nada, o senhor do autocarro cagou bem para termos carregado no stop e só parou na paragem a seguir! Lá está, são as famosas leis de Murphy: Um atalho é sempre a distância mais longa entre dois pontos. adiante...Lá fomos nós rumo então ao próximo destino, um balcão do banco ABN-Amro na praça Leidseplein.  Entramos (e sim, era uma agência grande, com mais de cinco empregados...) e lá fizemos as formalidade, ficando à espera de sermos atendidos. Fomos chamados e... Querem adivinhar??? Querem??? Pois que a senhora não podia tratar deste assunto, teríamos que nos deslocar a um novo balcão do banco que fosse "especialista" em abrir contas para expats, ou seja EXPATRIADOS... Valha-me a santa!!!

Não amigos, nesta terra, à terceira não é de vez! Ainda assim não foi mau de todo, a senhora deve-se ter apercebido do desespero na nossa cara e lá tirou fotocópias dos documentos que iria enviar para o outro balcão de modo a que só fosse necessário deslocarmo-nos lá quando tivéssemos marcação. Do mal o menos... Entre vestir casaco, vestir luvas, gorros e afins, o meu homem diz: "Oh mor, vi ali um sinal para um restaurante brasileiro, que dizes???" Porreiro pá, (eu a pensar num feijão preto e numa picanhinha), é lá fomos nós... No caminho encontramos um pequeno recanto, com aspecto simpático e bastante movimentado, cheio de pequenos quiosques com doces e afins, e uma pista de gelo. Fomos dar uma espreitadela dando de cara com o seguinte letreiro: WINTERPLAZA. Estranho, será que nas outras praças será Verão?!?!?!?! Hum... estranha gente...
Claro que o sr. Murphy teria que aparecer de novo: Tem sempre de se renunciar a algo que se deseja para se poder ter algo que se deseja ainda mais. Pois que o afamado restaurante brasileiro estava fechado e só abria à noite! Tchanammmmmmmmm sem stress... Logo ali tinha um restaurante italiano, com uma pinta muito catita, e lá fomos nós. Pois meus amigos, grande achado, grande achado mesmo. Tudo, mas tudo, 5 estrelas, da comida ao atendimento. Espero que as fotografias consigam espelhar o fantástico manjar dos deuses que comemos... e bebemos :) Já de barriguinha cheia e sem compromissos imediatos, decidimos dar uma de turista mesmo, e fomos visitar aquele que dizem ser o maior museu nos Países Baixos.
O Rijksmuseum é um museu nacional dedicado às artes e à história. Possuí uma larga colecção de pinturas da idade de ouro holandesa bem como uma substancial colecção de arte asiática. Ora até aí tudo bem. Eu que até sou uma moça formada em Património Cultural pensei cá para mim, que ia passar uma tarde bem passada, que dado o tamanho do edifício não ia ver tudo, mas que ainda assim os amigáveis 12.50€ (sendo que o preço do bilhete do Louvre são 10€) compensariam a visita. NÃO. ESQUEÇAM! Então porquê??? Desde 2005 que cerca de 95% do museu está fechado para renovação sendo que apenas se encontra aberto ao público as pinturas da colecção permanente, numa exibição especial chamada As Obras-primas. Sim, vimos algumas obras primas, de Rembrandt (A ronda noturna, em holandês: De Nachtwacht) a Vermeer (A leiteira, em holandês: Het melkmeisje) mas ainda assim saí de lá com uma sensação de... sei lá ... roubo!!! Por isso, se vierem para estas bandas, informem-se se as obras estão para acabar, ou se pelo menos têm acesso a 50% do museu.... Ainda pensamos visitar de seguida o Museu Van Gogh  mas já estávamos no limite dos "pés molhados e gelados" e por isso... fica para uma próxima. Retorno ao Hotel, tirar os sapatos e aquecer os pés,  "esticar o pernil" por um bocado e desfrutar de uma última refeição no Hotel. Confesso que, salvo alguns problemas de limpeza (não, não sou eu que sou maníaca, o Bruno também concordou...) que de uma maneira ou de outra foram resolvidos, uma das coisas a reter é a fantástica cozinha
...

(Por esta altura o meu homem estava a rogar pragas, do tipo - Raios parta, olha-me só para esta carninha que aqui vai ficar... - , porque queria pegar com as mãos e roer as costeletas de "bambi", que é como quem diz, veado (não no sentido brasileiro, hehehehe) e eu não deixei....)

Amanhã é dia de ir embora...
Não quero pensar nisso... sinto que deixo mais de metade de mim nesta terra fria! Já estou em contagem decrescente para o Natal. E não, não é pelas prendas, nem pelo grande jantar de família, pelos doces ou afins...  mas pela hora de abraçar e beijar o meu amor outra vez...

2 comentários:

Bruno "BaKano" disse...

Tal como disse enquanto escrevias este post, hj foi o dia dos falhanços. Falhamos o encontro para ver um apartamento, o metro falhou, o motorista falhou a paragem na Leidseplein, falhamos na abertura da conta, falhamos na primeira escolha de restaurante, falhamos o museu (pq só vimos 5%), falhamos noutro museu pq não entramos, falhamos ao tentar ir para os lados da Centraal Station na vez de ir directos para o hotel, e finalmente falhamos ao escolher o 145 ainda no centro que nos fez estar no frio à espera varios minutos!
Enfim, a juntar a isto, foi dos dias com mais neve aqui, pelos vistos em vários anos também, portanto foi uma falhanço total ... total não pq ainda nos divertimos e tiramos umas fotos!

Gabi disse...

OOOOOHHHHH!!
Um final "românico", tão lindo...

Quando derem por vocês o Natal já passou e já temos o novo ano aí à porta. Para aproveitar pelo menos tão bem com este :)